Prefeitura de Anápolis

Setor de Queimaduras e Núcleo de Epidemiologia começam a funcionar no Hospital Alfredo Abrahão

Transição dos serviços do antigo hospital para nova unidade será concluída em breve com o início da emergência em ortopedia e traumatologia

Foto: Bruno Velasco

O processo de transição dos serviços do Hospital Municipal Jamel Cecílio para a nova unidade Alfredo Abrahão está quase concluído. A partir de amanhã, 17, já começa a funcionar o Setor de Queimaduras e o Núcleo Hospitalar Epidemiológico, que realiza atendimentos antirrábicos, de acidentes por animais peçonhentos, de violência sexual e outras, em adultos e crianças, e também de acidentes de trabalho com exposição a material biológico.

Na sexta-feira, 19, começa também o atendimento em feridas em pés diabéticos, tanto consulta como cirurgias. Com isso, falta apenas o setor de ortopedia e traumatologia, absorvido provisoriamente pela UPA da Vila Esperança para gesso, redução de fraturas fechadas e lesões.

Para atender a demanda, a unidade de saúde do Parque Iracema passa a atender de forma mista casos de Covid-19 e clínica geral, mantendo as regras e o distanciamento exigido. Lá também há leitos de internação clínica e observação até a transferência para a unidade de tratamento definitivo.

Lembrando que, além de todos esses serviços, o Hospital Municipal Alfredo Abrahão ainda conta com a realização de cirurgias eletivas e de urgências e, brevemente, com atendimento ambulatorial. Desde a inauguração, no último dia 9, foram realizadas mais de 50.

Assim, o Hospital Municipal Jamel Cecílio começa a ser desativado, restando apenas os serviços do laboratório de análises clínicas, internações em tratamento e oftalmologia ambulatorial, que logo será levado para outra unidade.

Nova estrutura
O Hospital Municipal Alfredo Abrahão conta com 75 leitos, sendo 10 de UTI e três centros cirúrgicos, consultórios, salas de exames e toda estrutura necessária para atender a população. O local vai funcionar como urgência e emergência para ortopedia, traumas e queimaduras. Também será unidade ambulatorial para consultas em várias áreas da medicina com agendamento via regulação.

O projeto do novo hospital surgiu com a reestruturação da saúde, em novembro de 2018, quando o então Cais Progresso foi desativado devido a questões estruturais e sanitárias. Mesmo durante a pandemia da Covid-19, a obra seguiu em frente e está pronta para atender toda a população de Anápolis. Uma parte do hospital foi utilizada, inclusive, para ampliação dos leitos municipais de UTI no enfrentamento à pandemia.

Para funcionamento pleno e emergencial, foi feito o credenciamento de Organização Social para a gestão do hospital, a exemplo da UPA Pediátrica, considerada referência no setor, e que contou, para sua inauguração, com o mesmo formato de licitação e contratação.

Compartilhar publicação