Página Inicial / Multimídia/ Notícias/ Teleatendimento marca o mês da amamentação

ImprimirImprimir

Tamanho da fonte fonte fonte

30/07/2020 15h08 - Atualizado em 30/07/2020 15h09

Teleatendimento marca o mês da amamentação

Agosto Dourado será lembrado com incentivo à amamentação de forma segura

Foto: Bruno Velasco - Dircom

O próximo mês é conhecido como Agosto Dourado porque simboliza a luta pelo incentivo à amamentação em diversos países. A cor dourada está relacionada ao padrão ouro de qualidade do leite materno. São trinta dias, em que são celebrados a promoção, a proteção e o apoio ao aleitamento.

Em Anápolis, esse assunto é levado tão a sério pela atual gestão que, em dezembro do ano passado, foi inaugurada a sede própria do Banco de Leite Humano com uma equipe multidisciplinar. Devido à pandemia da Covid-19, a adesão à Semana da Amamentação será feita de forma segura com o teleatendimento e ainda terá participação na live com a Organização Não-Governamental “Mamães de Anápolis” pelo Instagram (@mamaesdeanapolis).

O teleatendimento, já adotado desde o início do plano de controle e combate ao coronavírus, pode ser solicitado pelo 0800 646 3223 ou 3902-1722. “As mães entram em contato por esses números e as adicionamos no Zap do Banco de Leite. Trabalhamos com chamadas de vídeo para melhor atendimento naquilo que elas estão precisando.”, explica a coordenadora da unidade, Natalha Soares.

Também são enviados vídeos explicativos, produzidos pela pediatra e fonoaudióloga, com conteúdos como: massagem e ordenha do leite; posição do bebê na mama; mitos e verdades sobre amamentação; importância do leite materno; e Amamentação X Covid-19.

A mãe que quiser doar pode levar o leite até a unidade. Isso também pode ser feito por um familiar e o Banco de Leite disponibiliza frascos de vidros esterilizados para a coleta. Além disso, todos os bebês das doadoras recebem atenção e cuidados médicos da pediatria que entra em contato para o acompanhamento. Esse mesmo cuidado é dispensado às mamães, caso necessitem de tratamento psicológico e nutricional.

A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano pede que as mulheres não parem de doar para que os estoques não fiquem zerados, pois muitos recém-nascidos internados na rede pública de saúde necessitam do leite para sobreviver. “Nós precisamos oferecer esse alimento. 10 ml de leite materno podem salvar a vida de 10 bebês.”, conta a coordenadora.

Frenotomias
Durante a pandemia, as frenetomias são realizadas apenas em casos de emergência pela cirurgiã dentista. “Se o bebê possui o frênulo curto e apresenta dificuldades para mamar, ele necessita da frenotomia, mas se não há dificuldade na amamentação nós pedimos que a mãe espere mais um pouco, para não expor o bebê. Mas todos os casos são acompanhados”, ressalta Natalha Soares.

Saiba mais
O Banco de Leite do município é responsável pela coleta, processamento e controle de qualidade do leite, que depois de pasteurizado é doado para unidades como a Maternidade Dr. Adalberto Pereira da Silva, a UTI Neonatal da Santa Casa, além de ser distribuída para o Banco de Leite de Goiânia.

Para ser doadora é simples. Basta entrar em contato com a unidade e se cadastrar. O Banco de Leite trabalha de portas abertas não sendo necessário encaminhamento. A mãe doadora além de toda a orientação sobre amamentação ainda recebe um atendimento especial contando com acompanhamento psicológico, nutricional, odontológico e pediátrico.

Serviço
Banco de Leite Humano “Elaine Miriam de Oliveira”
Endereço:
Avenida Cachoeira Dourada, Praça Martins – Bairro São Joaquim
Telefones: 0800 646 3223 / 3902-1722