Página Inicial / Multimídia/ Notícias/ Procon Anápolis aponta variação de até 100% no preço dos testes da Covid-19

ImprimirImprimir

Tamanho da fonte fonte fonte

23/07/2020 17h53 - Atualizado em 23/07/2020 17h55

Procon Anápolis aponta variação de até 100% no preço dos testes da Covid-19

Os valores oscilam entre R$ 120 a R$ 375, dependendo do tipo de exame

A Secretaria Municipal de Defesa do Consumidor (Procon Anápolis) realizou uma pesquisa de preço dos testes para diagnóstico do Covid-19. Foram verificados quatro tipos de exames (teste rápido; IgM e IgG; RT-PCR; IgA e IgG) em oito laboratórios da cidade. A pesquisa visa esclarecer os consumidores sobre os preços praticados nos estabelecimentos neste momento de pandemia. A coleta de dados foi realizada no dia 22 de julho. Clique aqui e acesse a pesquisa!

O levantamento aponta variação de até 100% no preço do teste rápido – realizado sem pedido médico e sem equipamentos laboratoriais – cujo preço oscila entre R$ 140 a R$ 280. Já o RT-PRC – considerado o padrão ouro no diagnóstico da COVID-19 – realizado apenas com pedido médico e identifica o vírus no período em que está ativo no organismo, sendo que o preço do exame pode custar entre R$ R$ 300 a R$375.

Já os tipos sorológicos, o IgA, IgG ou IgM e IgG – detectam a presença de anticorpos contra o novo coronavírus - o valor do teste oscila entre R$ 190 a R$ 300 (IgG e IgM) e R$ 120 a R$ 160, no caso do teste IgA e IgG. Dos laboratórios pesquisados, apenas três realizam coleta domiciliar e um no formato drive-thru.

Orientação
O secretário da pasta, Robson Torres, explica que por tratar-se de tema que envolve a saúde humana (bem maior de todo ser vivo), o tipo de teste a ser escolhido prescinde de muita atenção e cautela. “É nosso dever informar e orientar os consumidores acerca das características destes testes, dos valores e dos graus de confiabilidade, para que todos tenham uma exata noção do que se pretende e do que esteja consumindo, e inclusive, não se sintam enganados posteriormente, até porque, em certos casos, a eficácia não é garantida”, destaca Torres. 

Ele ainda explica que, “o mais indicado é o RT - PCR, e dependendo da escolha o consumidor pode ser levado a uma falsa sensação de segurança e alívio em decorrência de um teste que não exprime a realidade precisa da saúde da pessoa e ligada ao Covid-19”.